O silêncio que me gritas

O despertador que se repete de 5 em 5 minutos. O ar condicionado na sua máxima potência. O exaustor que puxa sem parar. O elevador que sobe e desce. As portas que batem. Um estômago que ronca. As unhas que coçam a nuca. As sirenes da ambulância. As buzinas no semáforo verde. O telemóvel que vibra dentro de uma mala. As cadeiras que arrastam. A máquina de café que aquece.

Um turbilhão de ruídos que te prende e enrola como as ondas de Setembro. Braçadas e mais braçadas e continuas no mesmo sítio. Como quando aprendes a andar de bicicleta e não te soltam o selim. Como as tuas primeiras danças em cima dos pés dos teus pais. Como o vento que vem do mar, abres os braços e inclinas-te para a frente, suspenso no ar.

As ondas que se confundem com a tua respiração, o rebentar ao ritmo frenético da tua pulsação. Os pés que se afundam na areia que te sustém. Os arrepios do fato de banho molhado por baixo dos calções, o sol que esconde atrás da falésia, que foge outra vez.

Fecho os olhos e vejo os teus. O teu riso que traz o vento. A areia que me chicoteia com a dor da tua distância. Os últimos raios de luz que me aquecem quando sorris. A vontade de agarrar a bóia que me lanças. De alcançar o teu braço esticado. De lamber o sal que ficou nos lábios, de beber aquele que nos escorre pela cara.

Quando te vejo ouço o silêncio. Amanheço numa praia deserta com pegadas dos pássaros madrugadores. Com a areia molhada da maré desta noite. Com o mar lá ao fundo, lá longe no areal. Quando te vejo ouço o vento que me sussurra.

O teu rosto que se afasta quando me gritas em silêncio. As tuas feições que se contorcem da dor que me perfura o peito. A nossa fúria na ventania de fim de tarde.

Abro os olhos para não te sentir. Deixo que a onda me arraste, deixo que o silêncio seja passado, deixo a tua mão suspensa no abismo.

By Marta

Este é um espaço onde se cruzam pensamentos, línguas, histórias deste mundo e dos que criamos. Um blog e portefólio pessoal, onde o universo de cada um de nós é atravessado por uma linha transversal de emoções, ideias e sonhos. // // A place where thoughts, languages, real and imaginary stories cross paths. A blog and portfolio where our universes meet though transversal emotions, ideas, and dreams.

Leave a comment

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: