A lua deitou-se em Sarakiniko

Resplandecente mãe da noite. Magnânima, abraça as criaturas notívagas, umas vezes dando conforto e, outras vezes, maldosa, expondo-as aos perigos escondidos na sombra.

Dela, os homens esperam que traga sorte, boas colheitas, noites longas. Olham-na com olhos suplicantes, extasiados quando se mostra em todo o seu esplendor.

Mas ela faz-se rogar. Esconde-se na sombra e faz-se cada vez mais pequenina. Crescendo, pouco a pouco, com a fé de quem a olha.

Um espetáculo a solo que representa, dia após dia, época após época, para um público variado. Mas sempre o mesmo número.

Hoje o céu está escuro como nunca antes.

As estrelas espreitam à procura de um sinal do início da sua performance.

Espreitam, esperam, exasperam.

A lua deitou-se em Sarakiniko. Cansada, estende-se sobre a terra, abraçando de perto todas as criaturas por quem velava. A seu lado, o mar acaricia-a com um embalo, até que ela adormece profundamente.

Os homens perscrutam o céu em vão. A lua, saberão alguns em breve, está em Sarakiniko. Fartou-se da sua solidão. O seu peito está agora quente de sol. É embalada pelo canto do mar e beijada pelo vento.

By Marta

Este é um espaço onde se cruzam pensamentos, línguas, histórias deste mundo e dos que criamos. Um blog e portefólio pessoal, onde o universo de cada um de nós é atravessado por uma linha transversal de emoções, ideias e sonhos.

Leave a comment

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: